Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Páginas soltas...

Páginas soltas...

28
Jun18

Quando um livro se torna parte de nós...

gaivotazul

Um ano. Passou pouco mais de um ano. Volto a pegar nas tuas páginas e a relê-las de rajada.

Quatro noites encurtadas pela prazer da tua companhia. No rosto o cansaço, na alma o conforto e na mente a inquietude que só tu proporcionas.

Recordo que da primeira vez que te li, ri sozinha como só os sábios tolos podem rir.

O humor sarcástico contido nas tuas descrições fazia-me esquecer tudo em volta e exibir um sorriso rasgado, por vezes até soltar uma gargalhada perante a cena que se desenrolava. Como se a presenciasse. Como se a vivesse. 

Prendeste a minha imaginação desde o primeiro parágrafo. Por ti, tornei-me o narrador passivo desta história. Por vezes confundi papéis e julguei ser um narrador ativo. Uma personagem secundária ou mesmo a principal. Noutras tantas fui mero figurante que do meu canto observava o desenrolar da história. 

Quando assim nos sentimos, como parte da história, não podemos sair a meio. Não podemos ausentar-nos sem saber como termina. Do mesmo modo que não deixamos a caneca de leite com chocolate a meio, nem abandonamos a sessão de cinema.

A curiosidade. A eterna curiosidade de querer saber o que vem depois. De querer saber o que acontece no fim. Contendo a ansiedade que por vezes nos impele a espreitar os capítulos finais.

Não o fiz. Não o faço. Não quando a história nos agarra e queremos saber como acaba mas não queremos que termine. Para que possamos continuar a dela fazer parte. 

Hoje, um ano depois, pouco mais de um ano depois, reli as tuas páginas.

Não ri como anteriormente. O humor embora presente não foi suficiente para me arrancar um sorriso. Algo mudou no espaço de um ano. Eu mudei. 

Desta vez, não foram os momentos caricatos nem a leveza do lado bom da vida que me prenderam os sentidos. 

A frustração, a angústia, o desespero, a dualidade, o conflito reclamaram o seu espaço. O riso deu lugar à lágrima. Lágrima essa que também tinha tido o seu lugar na primeira vez que te li, mas que assumira um papel secundário. O que importava era o Amor. O Amor incondicional. Em que nos anulamos porque o que o Outro necessita se torna mais importante. Porque embora egoísta, o Amor também pode ser altruísta. E esse altruísmo surge quando escolhemos aceitar que jamais o Amor pode negar a quem amamos o direito a escolher. ("Ainda que a mim me toque perder.")

O Amor continua a ser o que importa. Mas bolas,... ser altruista nem sempre é fácil. Às vezes gostava de poder reescrever o final da história...

 

let-go-red-balloon.jpg

(imagem retirada da net)

 

Mais sobre mim

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D