Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Páginas soltas...

Páginas soltas...

13
Dez17

"Redbud Tree..."

gaivotazul

Coloquei Redbud tree a tocar para ti.

Sei que não a ouvirias, que desconheces o seu significado, mas coloquei-a a tocar para ti.

Eras para nós como uma árvore de baixo da qual nos podíamos abrigar, sabendo que as tuas raízes estavam bem seguras e que os teus ramos se estendiam para que nos pudessem conter a todos. 

 

O teu aniversário aproxima-se.

Este ano não irás soprar as velas mas elas irão arder por ti. Embora continues presente em cada um de nós, sentimos a tua falta.

 

Dizem que "só faz falta quem cá está"... Não sabem do que falam... Não estás cá... e fazes tanta falta...

 

Porque te quero presente em nós, porque sei que onde quer que estejas olhas por nós, porque pensar em ti e falar em ti te torna presente, a tua prenda de sempre irá ser colocada no topo da árvore de Natal.

Iremos sentar-nos de baixo dos seus ramos enquanto desfiamos memórias e desembrulhamos afetos.

 

Serás, como sempre foste, a nossa " redbud tree"...

 

07
Dez17

Não há pressa de chegar...

gaivotazul

Entro no carro. O calor acumulado no seu interior, resultado das horas em que o sol nele incidiu dá-me as boas vindas. Não sinto as pontas dos dedos de tão frias. Tão pouco sinto a ponta do nariz. Sabe bem este quentinho que aconchega. Chave na ignição, rádio sintonizado, inicío a viagem. Não há pressa de chegar quando música após música a semana de trabalho fica para trás. O futuro pode esperar quando a música te convida a ficar. Que importa se o semáforo verde tarda, que importa se lá fora o trânsito não flui. Aqui, no calor que se faz sentir nas cores que tingem o céu de vermelho, na música que evoca o que no Natal importa, no coro de vozes (des)afinadas que à minha se juntam, não há pressa de chegar. Desfrutemos da música, desfrutemos do Presente! Não há pressa de chegar...

06
Dez17

Frustração...

gaivotazul

Frustração! É esse o sentimento que se instala quando te sentas em frente ao computador para no curto espaço de tempo de que dispões colocares em palavras escritas os pensamentos que em ti correm soltos. Frustração porque os teus dedos não acompanham o seu ritmo e comem letras e espaços enquanto acrescentam outros tantos. Frustração porque sem saberes como nem porquê o texto que se alinhavava se some diante dos teus olhos e não há como voltar atrás. Frustração porque no teu cansaço cada nova interrupção ou solicitação dos que te rodeiam interrompe a torrente de pensamentos que se desvanecem no ar sem fio condutor.

Frustração porque te irritas com tudo e com todos piorando a situação.

Frustração porque o que escrevias te fazia sentido e te trazia a tão ansiada tranquilidade que se esfuma novamente por entre os dedos.

Frustração porque a dura realidade se instala reforçando o que já sabes.Que o teu controlo sobre as mais pequenas coisas é pouco ou nenhum. 

Frustração que não me leva a lado nenhum mas que já cá está.

Posso mandá-la embora? Posso dizer que não a quero?

Não te quero! Vai-te embora!

Frustração...

 

04
Dez17

Escrever: Entre o Ter e o Querer...

gaivotazul

Se tenho de escrever?

Sim, tenho! E não imaginas quantas vezes já me coloquei a pergunta e tentei em vão dar uma resposta.

Ter implica necessidade, mas mais do que ter é um Querer.

Se quero escrever?

Sim, quero. Muito!

Por que escrever constitui uma necessidade sim, mas a cima de tudo um prazer.

Doce contradição se encerra neste simples ato de pegar em lápis ou caneta e começar a preencher as páginas em branco, à medida que algo mais cá dentro se preenche e esvazia simultaneamente.

Sim, porque escrever liberta mas prende. Como um bom livro em que sabes como começou mas não sabes como irá acabar e como tal não podes parar.

Preenchemos páginas e despejamos-nos do que nos consome. Preenchemos páginas e colmatamos um vazio que nos sufoca. Preenchemos páginas e ... preenchemos páginas e tanto fica ainda por escrever...

Quando não escrevo, algo em mim se inquieta. Gradualmente instala-se um formigueiro ténue na alma, uma ausência sentida na ponta dos dedos, uma voz calada que grita. Por isso, se tenho de escrever?

Acho que sabes a resposta... Não são precisas palavras quando os gestos falam por nós...

escrever.png

 

 

 

 

Pág. 2/2

Mais sobre mim

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D