Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Páginas soltas...

Páginas soltas...

01
Nov20

Ela encerra um pouco de Ti...

Desafios I Passa-palavra#Almofada

gaivotazul

Bem sei que está gasta, que já teve melhores dias, mas continua a cumprir o seu propósito, por isso, não me digam para a deitar fora.

Em alguns locais está manchada, algumas linhas começaram a ceder, as suas cores são agora mais esbatidas, mas continua a desempenhar a sua missão, por isso, não me digam para a deitar fora.

Já não tem o mesmo vigor, pode até estar rasgada aqui e ali, mas continua a preencher o seu fim, por isso, não me digam para a deitar fora.

Sempre que a vejo, é de ti que me recordo. Posso não recordar o teu rosto, e de ti pouco me lembrar, mas enquanto a tiver comigo, e se a memória não me atraiçoar, saberei que resultou de um gesto de amor, que foi feita por ti, para mim. Que a ela te dedicaste, e que a mim a confiaste.

Nela bordaste o meu nome. Fizeste-me sentir especial, amada... e esse sentimento permanece em cada ponto costurado que ainda resiste. Por (tudo) isso, não me digam para a deitar fora.

Ela encerra um pouco de Ti...

IMG_4133.jpg

--------------------//-------------------

Ainda que com algum atraso, não podia deixar de tentar responder ao desafio passa-palavra proposto pela Mula e pela Mel.

 

31
Out20

Chegou por baixo da porta...

Desafio I Passa-Palavra#Carta

gaivotazul

Chegou por baixo da porta. Era grande. Bem maior do que qualquer envelope que na caixa de correio pudesse caber. Talvez por isso tenha chegado por baixo da porta.

No lugar do remetente uma sigla - P.A.I.S.,  no canto direito do envelope vários selos azuis perfilados e no local do destinatário, o meu nome numa linda letra manuscrita, perfeitamente desenhada. 

Estranhei! As cartas não nos chegam por baixo da porta, ou chegam!? O carteiro não tocou à campainha, não ouvi os seus passos nas escadas ou o seu "toc-toc" na porta.

Desconfiei! Incentivaste-me a abrir! Senti ser vossa. Desviaste o assunto. Dizias ser uma carta vinda de algum "PAÍS" longínquo. Afirmei ser de bem mais perto. Não confirmaste mas também não negaste. "Abre e ficas a saber!" - repetias...

No seu interior, uma pequena grande demonstração deste imenso Amor que não se define, quantifica ou limita. Que não conhece barreiras nem fronteiras intransponíveis. Capaz de nos elevar e de nos afundar. Incomensuravelmente infinito.  

Os seus bordos estão amarelecidos, manchados pela passagem do tempo. Alguns cantos apresentam pequenos rasgos. O seu conteúdo mantém-se inalterado e a sua mensagem tão vívida como na primeira vez que a li. E aprendi! Aprendi a diferença! Naquele dia tornou-se evidente o que sempre soube, o que sempre senti. A diferença! 

A Diferença chegou por baixo da porta, num envelope grande, remetido com todo o amor pelos meus "PAIS". No seu interior as palavras que no meu coração, de sentimento revestidas, ficaram gravadas:

 

"A diferença entre este postal e o nosso Amor

É que este postal é grande... mas não aumenta!" 

descarregar.jpg

 

 

 

 

 

 

--------------//-----------------

Texto escrito no âmbito do desafio passa-palavra,

iniciativa proposta pela Mula e pela Mel

14
Out20

E é por ti que me deixo levar...

Desafio I Passa-palavra #Vento

gaivotazul

Naquela noite rugias com redobrada intensidade. Fazias-te ouvir a quilómetros de distância. De um lado para o outro, mostravas toda a tua intempetuosidade. Inquieto, impaciente, selvagem, assim estavas tu.

E no entanto, no instante em que ouviste o meu choro, o meu primeiro suspiro, foste a calma abrupta que no eco da noite se instalou.

Acariciaste o meu rosto, segredaste-me ao ouvido, e não mais me largaste.

Quando não consego dormir, és a suave brisa que me embala.

Quando não tenho com quem brincar, és a corrente de ar que me desafia a por entre as folhas dançar.

Se me encontras irritada, és o sopro que me provoca e despenteia até da ira nada restar.

Se me aquieto, és o sussuro que me conta histórias daqui e d'além mar.

E quando o meu peito se aperta, és o barulho a quem grito as palavras nele guardadas.

Esta noite, como tantas noites desde que nasci, é contigo que vou, e é por ti que me deixo levar...

 

----------//----------

Texto escrito no âmbito do desafio passa-palavra, iniciativa conjunta da Mula e da Mel

 

 

 

10
Out20

O lápis era a sua voz!

Desafio I Passa-Palavra #Lápis

gaivotazul

Nunca ninguém lhe ouvira uma só palavra.

Durante muitos anos os pais procuraram "uma cura" que nunca chegou.

Eventualmente, acabaram por ceder às evidências e aceitar. O filho nunca viria a falar...

Foi crescendo de olhos postos no mundo. Absorvendo cada som, cada cheiro ou movimento.

Passava horas deitado na relva, ao sol, de olhos postos nas nuvens que lhe falavam de outros lugares que um dia seguramente iria visitar.

Foi no seu sexto aniversário que recebeu pelas mãos do seu avô um presente que mudaria a sua vida.

Embrulhado em papel pardo, atado com corda de sisal, um velho quadro de ardósia com uma espécie de lápis com um magnifico entalhe na extremidade superior - um lápis de ardósia!

Nunca vira um objeto semelhante. O avô segredou-lhe que aquele lápis era mágico. Que através dele poderia comunicar as suas emoções, os seus pensamentos, as suas convições e  as suas ambições.

Desse dia em diante, dentro de uma velha pasta a tiracolo, do tempo em que o avô fora à tropa, para onde quer que fosse levava consigo o quadro e o lápis.

Nele retratava o dia que nascia e se findava em lados opostos da sua casa, os animais que no seu campo de visão perfilavam - da formiga que lutava por romper à superfície, à àguia real que cruzava os céus, os seus pais e o seu avô.

Se estava feliz, era leve e fluído o seu traçado. Quando a zanga imperava, traços pesados e confusos num emaranhado de linhas preenchiam todo o espaço disponível. Felizmente eram mais os dias de sol que de tempestade pois nunca fora de se deixar abater.

Foi crescendo e chegou o dia de do seu avô se despedir. Foi dele o último retrato que na ardósia guardou.

Era hoje um jovem adulto à conquista do Mundo. Do mundo que ainda criança, sabia que haveria de conhecer e conquistar.

O quadro dera lugar a blocos de folhas de papel e na sua mão, bolso ou estojo havia sempre lápis de carvão. Perdera a conta a quantas paisagens imortalizara, a quantas cidades registara. Captava também a imagem da mãe que segurava no colo o filho, ou o casal de idosos que de mão dada passeava. Por vezes fazia retratos a pedido, mas fazia-o principalmente porque era essa a sua forma de comunicar. Sabia ler como ninguém quem nos olhos o olhava, e escutava até o segredo de alma mais bem guardado. Esses, obviamente, a ninguém os contava.

Encontrara a sua voz ainda menino. Fora o seu avô quem lha dera. O lápis era a sua voz!

 

OIP.jpg

 

 

----------------//-----------------

Texto escrito no âmbito do desafio lançado pela Mula e pela Mel - Desafio Passa - palavra.

 

 

03
Out20

"A Saudade mora Aqui!"

Desafio I Passa-Palavra #Saudade

gaivotazul

Fazia tempo que naquela divisão não entrava a luz do sol. O tempo parecia ter sido suspenso. Como se todos os relógios da casa tivessem parado em uníssono com a última batida de um coração. 

Corri os estores. Os primeiros raios da manhã ainda despontavam. Misturavam-se com a neblina marítima e com o nevoeiro que descia a serra. Transformavam cada partícula de pó num pequeno ponto de luz que dançava em delicados arabescos.

Deslizei os dedos pelos parcos móveis que preenchiam a divisão. O rasto deixado avivou a memória de um passado ainda fresco.

Será sempre fresco... como uma tela a óleo acabada de pintar. Os cheiros não se desvanecem, as cores não se esbatem. Retratam a Saudade.

Saudade! Esse sentimento tão magnânimo que nos eleva e nos transcende, que não cabe num peito que se aperta e contrái ante tão grande sentir. Que nos faz sentir pequenos e nos reduz à nossa condição. Que faz rir, sonhar, esperar e desesperar, que faz chorar; que conforta e faz doer... Saudade!

Numa casa sem Tempo, demorei o meu tempo.

Corri os estores, com um "até breve" me despedi.

Ao fechar a porta senti, "A Saudade mora Aqui!" (...)

 

 

22
Set20

"Bateu a porta pela última vez"

Desafio I Passa-Palavra #Amarelo

gaivotazul

Todos os dias, ao bater do relógio da torre da igreja, assomava à soleira da porta. Sentada no tosco banco de madeira que um dia o seu pai esculpira, não via os catraios que por ela passavam - pés descalços, joelhos esfolados, rostos suados de sorrisos estampados. Não via o par de jovens enamorados que se demoravam no caminho para que o destino tardasse mais um pouco. Não reparava na jovem mulher que corria descomposta pela quantidade de sacos e sacolas que carregava e que pelos braços escorregavam. Tão pouco reparava no gato que subira a uma árvore na tentativa de escapar ao cão que, num momento de descuido do seu cuidador, se desprendera da trela e o encurralara ao fundo da rua.

O seu olhar fixava-se no chão da calçada mas não era nas suas pedras sujas e gastas que se detinha. Via os anos que vertiginosamente haviam passado... As lágrimas que derramara, as gargalhadas que soltara, os sulcos que ambas lhe haviam desbravado no rosto e na alma.

Apertava-se-lhe no peito um coração fragilizado pela passagem do tempo. Agudizava-se a imensa saudade dos afetos que fazia tempo não recebia. Todos os que lhe eram queridos haviam partido, de um modo ou de outro.

Em preces silenciosas pedia que a luz pálida do Sol amarelo de Setembro que nela incidia, já não a encontrasse no dia seguinte.

As sombras dançaram à sua volta. Quando despertou dos seus pensamentos já se findava a luz do dia e no horizonte nascia a lua. Não reparara em quem por ela passara. Não a vira quem por ela passou. Levantou-se a custo, inspirou o ar que bruscamente arrefecera, pegou no tosco banco de madeira, entrou em casa e bateu com a porta pela última vez.

 

 

 

Este texto foi escrito ao abrigo do desafio lançado pela Mula e pela Mel - Desafio Passa - palavra. Durante o mês de Setembro têm lugar a nível internacional, diversas iniciativas de consciencialização sobre a prevenção do suicídio. Uma campanha que dá pelo nome "Setembro Amarelo".

Segundo dados de 2016 disponibilizados pela Organização Mundial de Saúde, estima-se que todos os anos cerca de 800mil pessoas se suicidem. Uma Vida a cada 40 segundos!

Jovens, idosos, pais, filhos, irmãos, tios, primos, amigos, conhecidos e desconhecidos.

Em Portugal a região do Alentejo regista uma prevalência de suicídios mais elevada do que o restante território nacional.

Madalena Serra - Psiquiatra e Diretora do Departamento de Psiquiatria e Saúde Mental do Hospital do Espírito Santo de Évora EPE, no âmbito da campanha de prevenção do suicídio "Setembro Amarelo" sob o slogan "(Re)pensar uns nos outros, uns pelos outros"- referiu que "Devemos estar atentos uns aos outros. Não devemos confundir distanciamento físico com distanciamento social e afetivo".

40 segundos! Invistamos 40 segundos do nosso tempo para refletir sobre a Saúde Mental. A nossa e a dos que nos rodeiam. Sejamos mais conscientes do mundo à nossa volta. Por vezes não basta olhar. É preciso ver, reparar (palavra com tantos significados - notar, dar importância, concertar).

Deixo-vos uma música em jeito de reflexão...

 

27
Jul20

Sou guardadora de pedras...

gaivotazul

 

Está mais pesada! A mochila que às costas carrego, está mais pesada. Não me lembro de estar tão pesada quando esta manhã me levantei. Tampouco me lembro de ter apanhado mais pedras pelo caminho. Mas devo te-lo feito. Algures...


Talvez me lembre vagamente do som de um camião em marcha atrás, um aviso sonoro de que iria descarregar algo. Devo-lhe ter dado um sinal de que era seguro fazê-lo. Percebo agora que deveria ter avaliado primeiro o manifesto da carga...


Posso pousar a mochila por instantes. Fingir que não me pertence. Abandoná-la a um canto esperando que caia no esquecimento ou que alguém nela tropece...

Não posso no entanto ignorar o conhecimento que nela depositei e que a mim confiaram. 

Talvez as possa esculpir. Às pedras! Limar algumas arestas, torná-las mais polidas, dar-lhes forma...parti-las?!?

 

Está mais pesada. A mochila! Hoje carrego mais pedras. Novas pedras. Não as escolhi no meio do areal, não as apanhei pelo caminho, mas cabe-me agora a mim guardá-las. Sou guardadora de pedras.

C9F8510B-A7B1-47A2-859B-2BDB2628C3CB.jpeg

 

 

 

16
Jul20

A palavra é Orgulho!

gaivotazul

Como poderia eu sentir algo diferente?

Lancei-vos uma tarefa. Contrafeitos aceitaram executá-la.

Não tardaram muito a concluí-la e, satisfeitos, vieram mostra-me o resultado.

Colocaram a vossa personalidade em cada palavra escolhida. Espelharam os vossos interesses, a vossa criatividade e a visão que do Mundo guardam.

Como poderia eu sentir algo diferente?

A palavra é Orgulho!

 

02
Jul20

Talvez hoje me deixe ficar por aqui...

gaivotazul

Dias loucos estes que têm corrido ao sabor de um vento que não vejo nem sinto.

Pela janela do calendário vejo os dias sucederem-se. É somente essa janela quem me diz que a lua chegou e partiu e que de novo o Sol nasceu.  Perdi a mais extraordinária das atuações e não os vi dançar no céu, pois foi outra a minha tela. Uma tela na qual desenhei com palavras ideias para um futuro que se quer presente. 

 

No meu pulso não uso relógio. À ampulheta de areia deixei de virar. Não quero contar o tempo. Quero senti-lo. Não importa se disponho de minutos ou breves segundos. Estou aqui agora. E por agora, posso sentir a brisa que corre e o sol que no meu rosto incide, obrigando-me a semiserrar os olhos. 

Talvez hoje possa dizer Olá à Lua, talvez hoje me possa do Sol depedir. Talvez hoje me deixe ficar por aqui... 

 

13
Jun20

Fomos a eternidade...

gaivotazul

Cada nota por ti tocada ecoou em mim.

O choro da tua guitarra acompanhou o choro da minha alma.

Dedilhaste as lágrimas que em mim guardava.

Uma após a outra, compuseste com elas a mais doce melodia.

Uma composição que só quem sente, entende.

Escutei-a do meu canto e foi tua a minha voz.

Leste no meu ser, cada rascunho rabiscado.

Elevaste o seu sentido, clarificaste o que nem eu compreendia.

Dançamos em sublime sintonia uma dança desgarrada.

Fomos principio e meio sem fim.

Fomos a eternidade, enquanto durou.

 

 

Mais sobre mim

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D