Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Páginas soltas...

Páginas soltas...

26
Out17

Sr. José "Sapateiro"

gaivotazul

 

O dia mal amanheceu. Pelas ruas quase desertas, onde um ar frio se respira contrastando com o bafo quente que emanamos enquanto expiramos, apenas alguns transeuntes. Uns para quem o dia estás prestes a terminar e que se encaminham para a cama, outros para quem o dia vai começar e que dela se levantaram faz pouco. 

Com uma voz mais ou menos efusiva, vão-se trocando "bons-dias" entre olhares apressados porque o tempo urge.

A maioria dos habitantes ainda dorme, mas para uma minoria não há tempo a perder. Abrem-se portas, sobem-se estores, içam-se gradeamentos. Tudo tem que estar pronto.

Na leitaria a Sra. Maria separa os pacotes de leite do dia para os clientes habituais; na padaria o Sr. João retira a última fornada do forno a lenha; na mercearia coloca-se a charcutaria a jeito; e no quiosque o Sr. Manuel expõe os jornais  e os diários com as manchetes do dia. 

Devido à força do hábito, e porque a cama já não lhe traz conforto, também o Sr. José se encaminha no seu passo lento, para as quatro paredes que toda a vida o acolheram.

Não tem janelas. Também delas não precisa. Apenas uma porta velha de madeira pintada de azul.

Por ela pára quem passa, por ela entra quem de tempo dispõe para conversar. 

A clientela já não abunda, mas tempos houve em que conhecia quase todos os habitantes da sua (já não tão) pequena vila. Sabia os seus nomes, os nomes dos seus pais e dos pais dos seus pais. Conhecia os seus hábitos e as suas necessidades.  Colecionava histórias de famílias em solas de sapatos.

Nada que enfraqueça o seu ânimo.

Entre as suas quatro paredes, rodeado de graxas, escovas e solas de couro, no meio dos seus utensílios de um ofício de toda uma vida, onde tornos, martelos, alicates e pregos coexistem, é feliz. Coloca a sua bata azul que com orgulho  enverga e ocupa os seus dias com os poucos afazeres que ainda lhe encomendam. Remenda, aperta, encapa, não alarga mais porque simplesmente já não dá. Com mestria prolonga a vida do calçado dos seus ainda fiéis clientes, zelando para que a estes não lhes falte o chão nem o pão. 

E porque no seu pequeno canto cabe toda uma vila, para todos exibe um sorriso, para todos dispõe sempre de uma palavra de conforto. 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D